Dukane: soluções de soldadura para indústria de plásticos

A unidade terá capacidade para processar cerca de 400.000 toneladas de plástico pós-consumo por ano

Vai nascer a primeira fábrica de reciclagem química da Península Ibérica

InterPLAST29/04/2021

A Repsol vai juntar-se à tecnológica canadiana Enerkem e à Agbar, especialista em gestão de água e resíduos, para juntas construírem, em Espanha, uma fábrica de transformação de resíduos em produtos químicos derivados. A Ecoplanta Molecular Recycling Solutions será a primeira deste género na Península Ibérica e contará com a tecnologia patenteada de gaseificação da Enerkem.

foto

Fábrica de biocombustíveis da Enerkem em Alberta, Canadá (foto: Merle Prosofsky).

A nova fábrica terá capacidade para processar cerca de 400.000 toneladas de resíduos sólidos urbanos não recicláveis dos municípios circundantes e produzir 220.000 toneladas de metanol. Este metanol será utilizado como matéria-prima para a produção de matérias-primas circulares ou biocombustíveis avançados, evitando assim a emissão de 200.000 toneladas de CO2, e a redução dos resíduos cujo destino seria o aterro sanitário. Esta parceria é mais um passo na direção da ambição da Repsol em tornar-se uma empresa com zero emissões líquidas até 2050.

A decisão final de investimento deste projeto deverá acontecer no primeiro trimestre de 2022 e está previsto que a fábrica entre em funcionamento em 2025. O projeto já obteve a Autorização Ambiental Integrada e a aprovação da Declaração de Impacto Ambiental pelas autoridades locais.

A Repsol possui um complexo industrial de elevado nível em Tarragona, o mais importante do género em Espanha, o que permitirá criar sinergias entre as duas instalações. Entre os muitos tipos de polímeros que são produzidos no complexo petroquímico, destaca-se a gama de produtos altamente especializados para o setor automóvel, tais como os polímeros de alta resistência ao impacto.

“Estamos muito satisfeitos por unir forças com parceiros relevantes na gestão de resíduos e com tecnologias inovadoras, o que reflete o nosso empenho na economia circular e reforça o nosso compromisso de reciclar o equivalente a 20% da nossa produção de poliolefinas até 2030”, sublinha José Luis Bernal, Diretor Executivo da Repsol Química.

A fábrica irá utilizar tecnologia de gaseificação para transformar resíduos sólidos urbanos em produtos de alto valor acrescentado, tal como o metanol. Trata-se de um processo muito complexo devido à sua natureza heterogénea.

A Enerkem detém a patente desta tecnologia de ponta, a primeira a ser testada à escala industrial, seguindo um rigoroso processo, desde o projeto-piloto até à dimensão industrial, que foi acontecendo ao longo de uma década na sua fábrica de demonstração em Edmonton (Alberta, Canadá), e numa nova instalação em construção em Varennes (Quebec, Canadá).

“Temos orgulho em acolher a Repsol como parceiro para continuar a apoiar as nossas instalações em Tarragona. A sua grande experiência na indústria, juntamente com a da Agbar, permitir-nos-á apresentar os numerosos benefícios associados à nossa tecnologia única e disruptiva, transformando resíduos em plásticos renováveis ou biocombustíveis avançados", acrescenta Dominique Boies, Diretor Executivo e Financeiro da Enerkem.

Com o valor já relevante deste investimento, o projeto foi selecionado para a fase II do Fundo de Inovação da União Europeia, que se foca em tecnologias altamente inovadoras e em projetos emblemáticos na Europa, que tenham como objetivo uma redução significativa das emissões. 

Jaba: tradução 4.0

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.interplast.pt

InterPLAST - informação para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial