Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa
Declaração do conselho consultivo dos expositores da K 2022

Radiografia da indústria do plástico 2022 (1.ª parte)

09/09/2022
Realizada em Düsseldorf, Alemanha, desde há 70 anos, a feira K reflete o singular triunfo internacional dos materiais que definem a nossa época: os plásticos. A cada três anos, concentram-se neste certame os mais recentes avanços tecnológicos e as soluções mais rentáveis para a transformação e a aplicação de materiais poliméricos. A poucas semanas da sua 22ª edição, este artigo analisa o atual estado do setor que, nos últimos anos, tem sido particularmente colocado à prova.
foto
Fotos: Messe Düsseldorf, Constanze Tillmann.

A diversidade de possibilidades de aplicação é a base do sucesso

A imparável ascensão mundial dos plásticos e da borracha, verificada nas últimas décadas, até se tornarem na principal classe de materiais dos nossos tempos, baseia-se em matérias-primas de baixo custo (essencialmente subprodutos das refinarias) com uma variedade incomparável de aplicações para os materiais. Após um crescimento médio anual de mais de 8% desde 1950, os materiais poliméricos são, hoje, indispensáveis e omnipresentes em quase todos os produtos do mundo moderno.

foto

A quantidade de diversidade de embalagens para alimentos e produtos de utilização quotidiana, bem como de recipientes de armazenamento e transporte, estão constantemente a aumentar. Dependendo da região e do seu estado de desenvolvimento, representam até metade da utilização total. Sem as embalagens de plástico, o fornecimento de alimentos a quase oito mil milhões de pessoas seria simplesmente impossível do ponto de vista puramente logístico. Na ampliação das infraestruturas, bem como na construção de edifícios e na engenharia civil, os plásticos são utilizados no fornecimento de água, eletricidade e gás, no isolamento, nos perfis das janelas e muito mais. Este setor utiliza entre um quarto e um terço dos materiais.

Embora a mobilidade (dos automóveis aos veículos pesados, passando pelos veículos ferroviários e a aviação) represente cerca de 10% do consumo total de plásticos e borracha, a sua elevada procura torna-a num dos impulsores tecnológicos mais importantes. Isto também se aplica a áreas como a eletricidade e a eletrónica, bem como às muito exigentes aplicações médicas, tanto para dispositivos e aparelhos como para aplicações diretas no corpo humano. Além disso, muitos bens de consumo, como artigos para o lar, móveis, brinquedos ou artigos desportivos e de lazer de todos os tipos, só podem ser produzidos com materiais poliméricos.

Neste sentido, a cadeia de valor dos polímeros permanece relativamente estável no seu conjunto, inclusivamente em tempos de crise nos mercados de aplicações individuais. Em 2018 e 2019, por exemplo, a indústria automóvel mostrou-se desconfortável, especialmente em relação ao forte aumento da procura por mobilidade elétrica e, portanto, ao afastamento do motor de combustão. O resultado foi um declínio temporário nos respetivos segmentos da indústria do plástico e da borracha. Entretanto, outros setores, como o das embalagens, mostraram-se resilientes em todo o mundo graças às vantagens da sua aplicação, mas também na Europa, apesar das fortes críticas ambientais.

foto

Um dos setores económicos mais importantes da Europa

A indústria do plástico (produção e transformação) na UE27 atingiu um volume de negócios de mais de 328 000 milhões de euros em 2020, com 1,47 milhões de funcionários em quase 51 700 empresas, sendo a maioria delas pequenas e médias. Tal foi determinado pela associação de produtores Plastics Europe segundo os dados do Eurostat. O seu valor acrescentado faz dele o sétimo maior setor industrial da Europa, a par das indústrias química e farmacêutica. A indústria contribuiu com 15 800 milhões de euros para o excedente comercial da UE.

O setor das embalagens na Europa é o que necessita de mais materiais plásticos, 40,5%, de acordo com dados da Plastics Europe. O setor da construção permanece em segundo lugar, com uma quota de 20,4%; o setor automóvel em terceiro, com 8,8%; seguido pela indústria elétrica e eletrónica, com 6,2%; os bens de consumo, utensílios domésticos e os artigos desportivos, com 4,3%; e a agricultura, com 3,2%. A quota de consumo de todos os outros utilizadores, como o setor mobiliário, industrial, médico e os fabricantes de eletrodomésticos, ascendeu a 16,7%.

A nível regional, a Alemanha (23%), a Itália (14%), a França (9%), bem como a Espanha, a Grã-Bretanha e a Polónia (7% cada) continuam a representar cerca de dois terços da procura de plásticos na Europa. O último terço é repartido entre mais de 20 países.

foto

Coronavírus: declínio mundial da produção e do fabrico de maquinaria

Quase todas as áreas da vida foram afetadas pelo impacto da pandemia do coronavírus em 2020. As várias medidas, especialmente os confinamentos prolongados em vários países e regiões do mundo, também tiveram repercussão em amplos setores da indústria do plástico. Muitas aplicações importantes entraram em colapso em todos os âmbitos. Por isso, não é de surpreender que em 2020, pela primeira vez desde a grande crise económica mundial de 2008/2009, se tenham verificado novamente diminuições no consumo e na produção de plásticos e de borracha, bem como na indústria de maquinaria associada.

foto

Por exemplo, a associação de produtores Plastics Europe posiciona a produção mundial de plásticos (excluindo as fibras) para 2020 em 367 milhões de toneladas, comparativamente aos 368 milhões do ano anterior e aos 359 milhões de toneladas de 2018. O centro da produção deslocou-se claramente para a Ásia após um crescimento constante nos últimos 20 anos. Atualmente, mais de 50% dos plásticos a nível mundial são ali produzidos. Só a China, de longe, o país com maior produção, aumentou a sua quota para 32% ou mais de 110 milhões de toneladas no ano passado. Por outro lado, a quota de mercado da Europa voltou a diminuir ligeiramente, passando de 17,2%, em 2018, e de 15,7%, em 2019, para apenas cerca de 15% ou pouco mais de 55 milhões de toneladas (2019: 57,9 milhões de toneladas, 2018: 61,8 milhões de toneladas). Em 2008, a quota da Europa na produção mundial era ainda de 25%. Entretanto, a região do TLCAN manteve a sua posição com um ligeiro aumento para 18,8% ou 69 milhões de toneladas.

Segundo os números do Grupo Internacional de Estudo sobre a Borracha (IRSG), a produção de borracha já diminuiu 1,1%, para os 28,8 milhões de toneladas em 2019. Destes, a borracha sintética representou 15,1 milhões de toneladas e a borracha natural 13,7 milhões. Então, em 2020, a produção caiu 5,7%, para um total de 27 milhões de toneladas. Segundo o IRSG, os confinamentos dos três maiores países fornecedores de borracha natural, Tailândia, Indonésia e Malásia, são particularmente responsáveis por isto. Ao mesmo tempo, a procura diminuiu 6,2%.

Os cortes provocados pela crise do coronavírus também são claramente notáveis nos números do setor da maquinaria para plásticos e borracha. Em 2018, o valor da produção mundial tinha atingido o máximo histórico de 36 800 milhões de euros, de acordo com as pesquisas da VDMA. Já em 2019, diminuiu ligeiramente para os 36 000 milhões de euros, em consequência, sobretudo, das incertezas da indústria automóvel. Por último, durante a primeira fase da pandemia, com os confinamentos de 2020, o valor da produção mundial caiu 4,5%, para os 34 300 milhões de euros.

foto
Sem plásticos, o futuro da humanidade no seu número e forma atuais é simplesmente inconcebível

Em contrapartida, em 2021 a produção voltou a recuperar de forma quase brilhante, mais de 11%. Apesar de novos encerramentos e dos omnipresentes problemas na cadeia de abastecimento, a produção atingiu o novo valor recorde de 38 600 milhões de euros.

À frente deste desenvolvimento estão os fabricantes chineses. Após anos de crescimento sustentado, ampliaram a respetiva quota de produção mundial para 35% em 2021 (2020: 34,4%). Isto representa quase mais 5 pontos percentuais do que em 2017. A quota dos fabricantes de maquinaria alemães caiu para menos de 20% pela primeira vez em muito tempo, apesar da respetiva liderança tecnológica com 19,6%. No entanto, após um forte declínio em 2020, também se registaram aqui aumentos significativos.

O mercado mundial de maquinaria para plásticos - o negócio do comércio internacional através das fronteiras dos países fabricantes - também mostrou uma forte recuperação no ano seguinte, após uma queda significativa em 2020. Com 23 700 milhões de euros, quase atingiu o valor máximo de 2017. O que é impressionante aqui é que o setor alemão da engenharia mecânica teve agora de ceder a sua longa posição de liderança aos fabricantes chineses. No entanto, isto era previsível após o seu aumento constante nos últimos dez anos. Com uma quota de 23,9%, a China é pela primeira vez o maior exportador mundial. A Alemanha é seguida pelo Japão, com 9,1%, Itália, com 8,6%, e Estados Unidos, com 4,5%. A Europa (UE27+Reino Unido) continua a mostrar a sua força regional tradicionalmente desproporcionada, com uma quota total de 46,6% das exportações mundiais e uma quota de produção de 40%.

Os problemas da cadeia de abastecimento abrandam a transformação europeia

O núcleo dos mercados do plástico e da borracha é a transformação. A conversão de materiais em produtos através de máquinas industriais gera as receitas que sustentam toda a cadeia de valor. Este ramo da indústria é grande e de pequena escala, o que condiz com as suas aplicações heterogéneas, e em todo o mundo conta com o caráter típico da indústria transformadora de tamanho médio. A proximidade do cliente é um dos principais fatores de sucesso. No caso dos produtos simples, isto pode certamente ser entendido a nível regional. Por outro lado, para as tarefas mais exigentes, o foco centra-se mais em determinar qual é a solução técnica mais eficiente para o cliente, com relativa independência da distância.

Na crise do coronavírus, as empresas cujos produtos estão mais voltados para as necessidades quotidianas das pessoas saíram-se melhor, naturalmente. Alguns subsegmentos, como os fabricantes de embalagens higiénicas e de artigos de tecnologia médica, experimentaram até mesmo efeitos de expansão a curto prazo. No entanto, a maioria dos setores sofreu reveses. Para muitos fabricantes de peças técnicas, especialmente no setor de fornecimentos para a indústria automóvel, o segundo e o terceiro trimestres foram francamente catastróficos.

foto

O principal processamento da Alemanha também foi afetado

Segundo a Associação Alemã de Processamento de Plásticos (Gesamtverband Kunststoffverarbeitende Industrie, GKV), a principal indústria transformadora de plásticos da Europa registou um declínio de 5,6% no seu volume de negócios, até atingir os 61 500 milhões de euros no final do ano. Os mais afetados foram os fabricantes de peças técnicas, que sofreram perdas de 12%. O declínio das vendas de bens de consumo de plástico foi ligeiramente menor, de 9%.

O volume processado diminuiu menos, 2,8%, para 14,2 milhões de toneladas. Isto deve-se às aplicações de grande volume nas embalagens e na construção, que utilizam, na sua maioria, materiais simples e, portanto, baratos. Apesar dos diversos instrumentos de gestão da crise de pessoal, o número de funcionários diminuiu em paralelo 4,1%, para as 322 000 pessoas.

Pelo contrário, para o ano seguinte, 2021, a GKV anunciou um aumento bastante grande da faturação. Segundo a mesma, o aumento foi de 12,6% até se situar nos 69 400 milhões de francos. No entanto, as vendas cresceram em menor proporção, 5,6%, até aos 15 milhões de toneladas. Portanto, uma boa parte do aumento da faturação deveu-se ao aumento significativo do preço das matérias-primas. Os fabricantes de peças técnicas, em particular, continuam a sofrer uma enorme pressão sobre os seus resultados. Após a reativação sentida nos primeiros nove meses do ano, a situação voltou a piorar no quarto trimestre devido à vaga seguinte da pandemia do coronavírus. Além disso, a guerra iniciada pela agressão da Federação Russa contra a Ucrânia no início de 2022 tornou ainda mais incerta a situação da transformação dos plásticos na Europa e na Alemanha.

As impressões de outros grandes mercados na Europa, América do Norte e grande parte da Ásia não foram muito melhores. No entanto, em meados de 2020 já se notavam sinais animadores a partir da China. No quarto trimestre, as coisas também avançaram na Europa e na América do Norte. Com a crescente flexibilização das medidas contra a pandemia, a transformação de plásticos também entrou em funcionamento de novo.

No entanto, as coisas revelaram-se diferentes. Na América do Norte, os fenómenos naturais como tempestades e excecionais ondas de frio e calor paralisaram temporariamente vastas regiões. Além disso, as cadeias de abastecimento globais (que procedem na sua maioria da Ásia e são distribuídas para os restantes continentes) entraram em colapso em maior ou menor medida porque produtos fundamentais, como os semicondutores, não estavam disponíveis em quantidade suficiente. Para piorar as coisas, os sistemas logísticos desmoronaram-se e, ao mesmo tempo, muitas unidades de produção de plásticos na Europa não voltaram a entrar em funcionamento após as paragens devido ao coronavírus. Como consequência, grande parte da indústria do processamento europeia, em particular, deparou-se com os seus armazéns de material vazios e os preços dos plásticos dispararam até atingirem níveis sem precedentes. Como importantes indústrias utilizadoras, como a indústria automóvel, tiveram que reduzir a produção devido às falhas na cadeia de abastecimento, as vendas caíram do outro lado. A guerra na Ucrânia exacerba ainda mais estes desafios desde o mês de fevereiro.

foto

No entanto, nesta crise, por vezes dramática, as empresas do setor demostraram uma grande solidez. A crise financeira de 2008/2009 e a escassez de matérias-primas em 2015 provocaram, obviamente, o estabelecimento de mecanismos de defesa adequados em muitas empresas, que estão agora a demonstrar a sua eficácia. Os rácios de equidade foram melhorados, os custos estão concebidos para permitir ‘respirar’ e o Estado também ajuda em aspetos cruciais, sobretudo com os custos de pessoal (jornada reduzida).

Os principais desafios estão identificados

É de esperar que a pandemia de coronavírus termine finalmente este ano. Os problemas globais de escassez de matérias-primas, bem como as dificuldades vividas nas cadeias de abastecimento e logística, serão resolvidos pouco a pouco, graças às leis do mercado. Em outubro, o mundo dos plásticos deverá poder concentrar-se nos seus negócios, aproveitando da melhor maneira o que os expositores da K têm para oferecer ao mercado.

Em 2019, o tema central da feira foi a economia circular. Como resultado dos requisitos legais e de uma série de esforços e iniciativas, a taxa de reciclagem na Europa (a antiga UE28 mais a Suíça e a Noruega) tem vindo a aumentar de forma constante. Em 2018, as vias de valorização mais importantes foram a valorização energética, com 42%, e a reciclagem mecânica, com 33%, ao passo que cerca de 25% dos resíduos plásticos foram depositados em aterros sanitários. Dez anos antes (2008), ainda se recuperava 30% termicamente, 21% reciclava-se e 49% depositava-se em aterros sanitários. No que diz respeito à recuperação de embalagens (valorização energética e reciclagem), todos os países europeus atingem já taxas superiores a 30%; 17 países, pelo menos 70%; dez, mais de 98%, e alguns até 100%. Em 2018, foram recicladas mais embalagens de plástico para materiais (42,4%) do que para energia (38,5%). Continuou a depositar-se nos aterros sanitários, mas menos do que nunca (19,1%).

Podemos ver que este tema tem vindo a ser trabalhado intensamente, mas a ainda há muito a fazer, nomeadamente no que respeita à incorporação intensiva de reciclado em novos produtos. A K 2022 mostrará os progressos realizados até agora e, ao mesmo tempo, começará a definir o rumo necessário para os próximos anos e décadas. Muitas soluções já foram formuladas e refletidas, e há que tomar decisões. O que está claro é o seguinte: sem plásticos, o futuro da humanidade no seu número e forma atuais é simplesmente inconcebível.

Polímeros e equipamentosmoldplas de 9 a 12 nov. 2022 Batalha. Portugal. Salão de máquinas, equipamentos, matérias-primas e tecnologia para moldes e plásticos

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial