Atlas Copco Rental: ar comprimido
Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Portugal 2030 - O que esperar?

Eduardo Silva, diretor técnico da Yunit Consulting

13/10/2022

Agora que o lançamento oficial do PT2030 está cada vez mais próximo, o que podem as empresas esperar deste novo Programa-Quadro?

foto

Analisando a informação disponibilizada até agora, percebe-se que o domínio temático de maior relevo para as empresas, ‘Inovação e transição digital’, visa, sobretudo, apoiar a digitalização, a inovação, a investigação e desenvolvimento (I&D) e a internacionalização das empresas, com bastante enfoque em temas como transição digital, descarbonização, eficiência energética, economia circular e sustentabilidade.

Aliás, no âmbito da inovação está prevista a implementação de projetos-piloto e abordagens territoriais inovadoras em domínios financiados pelos fundos europeus, demonstrando resultados de eficiência e eficácia nas políticas públicas.

foto

PT2020 vs PT2030: as semelhanças e as diferenças

Ou seja, quer pela informação até agora partilhada, quer pelo que tem sido o discurso dos membros do Governo, é previsível que os principais sistemas de Incentivos orientados ao setor empresarial se mantenham iguais ou muito semelhantes na sua forma: Inovação Produtiva, I&D, Internacionalização e Qualificação.

No entanto, se é expectável que a forma não sofra grandes alterações, as empresas podem contar com concursos cada vez mais exigentes, no que às políticas setoriais dizem respeito, onde temas como indústria 4.0 e transição digital, sustentabilidade ambiental e economia circular, descarbonização e transição energética serão cada vez mais o foco, de forma a garantir uma efetiva transição do tecido empresarial nacional para um novo paradigma de atuação.

Desta forma, é previsível a concentração do apoio dos fundos europeus num número limitado de domínios estratégicos e tipologias de intervenção, de forma a maximizar o seu impacto nas dimensões económica, social, ambiental e territorial, evitando a pulverização dos apoios e estimulando uma mobilização mais eficiente de recursos.

Se no Portugal 2020 o alinhamento com as políticas setoriais, em alguns casos, já era relevante, espera-se que, no Portugal 2030, o alinhamento com essas políticas e com os objetivos estratégicos definidos conjuntamente com a União Europeia, assumam ainda mais importância podendo, em alguns casos, converterem-se até em critérios elegibilidade e, em quase todos, impactarem de forma significativa a pontuação de mérito do projeto, bem como o valor de incentivo possível.

Como é que as empresas podem antecipar a candidatura?

Deste modo, é importante que as empresas, ao avançarem com as candidaturas para os seus projetos de investimento, garantam que o seu plano de investimentos e os objetivos e metas a alcançar estejam devidamente enquadrados e alinhados com estas temáticas. Mas, sobretudo e talvez mais importante, porque estes temas (transição digital, descarbonização e/ou eficiência energética) são hoje críticos, sendo, por isso, fundamental que as empresas os coloquem como tema central da sua agenda, de forma a garantirem a sua competitividade no mercado global e a capacidade em fazer frente aos desafios que o futuro a curto e médio prazo lhes coloca.

Numa perspetiva mais operacional, é expectável que ao nível burocrático se assista a uma simplificação do processo e respetivos procedimentos de candidatura, nomeadamente nas condições de acesso, formulários e, não menos importante, no processo de execução dos projetos (contratualização, pedidos de pagamento, interação com entidades gestoras).

Processualmente, espera-se que o Portugal 2030 não só reduza custos associados à gestão e prazos, refletida numa redução nos níveis de programação, como também permita reduzir a cadeia de intermediação processual, eliminar etapas que não acrescentam valor, permitindo a opção por custos simplificados e, não menos importante, reduzindo e simplificando as interações dos promotores com o sistema.

É fundamental que as empresas preparem com antecipação as suas candidaturas de forma a maximizarem os potenciais apoios
foto

Como apresentar um projeto ao PT2030 e ter sucesso?

  • Coerência entre o projeto de investimento e a estratégia da empresa (foco no mercado internacional, valorização dos recursos humanos, digitalização e utilização e análise dos dados em benefício da tomada de decisão – Indústria 4.0, agilidade na resposta à necessidade do cliente);
  • Preparação do projeto com antecedência suficiente para o apresentar a entidades financiadoras complementares (ex: Banca). Determinados sistemas de incentivos, como o ‘inovação produtiva’, são sistemas híbridos, que conjugam incentivo a fundo perdido com incentivo reembolsável, o qual tem a Banca envolvida no processo. Isto faz com que as instituições bancárias também tenham uma palavra a dizer sobre o projeto. Assim, ter um plano de negócios pronto antes da submissão da candidatura, de forma a poder apresentá-lo e discuti-lo com o parceiro bancário, é fundamental, de forma a garantir que ele passará esta fase.
  • Alinhamento com indicadores relevantes no âmbito da descarbonização, eficiência energética, bem como com as estratégias de especialização inteligentes, nacionais e regionais. De facto, todos os instrumentos são criados para dar resposta a desafios específicos, os quais estão muitas vezes relacionados com diferentes políticas, sejam elas de cariz setorial ou territorial. E ter conhecimento de todas estas políticas, estratégias e enquadramentos é extremamente difícil, para quem não faz disso o seu dia-a-dia. Por isso, é crítico ter apoio de quem conhece todas as dimensões a que o projeto tem que dar resposta para garantir que nenhum aspeto fica por tratar.

Palavra-chave para as candidaturas ao PT2030: antecipação

Por último, o Portugal 2030 promete uma aplicação de fundos europeus centrada nos resultados a atingir, com base na contratualização dos mesmos, aprofundando os mecanismos de apropriação e responsabilização dos beneficiários, através da consolidação das práticas visando condicionar incentivos à efetiva obtenção de resultados.

Esta ‘promessa’, realça ainda mais a importância, independentemente do sistema de incentivos a que pretendam concorrer, de as empresas estruturarem de forma rigorosa os seus projetos em todas as dimensões, efetuarem um planeamento detalhado do mesmo, conseguindo demonstrar a capacidade da empresa em executar o projeto, a sua coerência e razoabilidade, bem como a pertinência do mesmo face à dimensão, situação atual e estratégia da empresa.

Concluindo, é fundamental que as empresas preparem com antecipação as suas candidaturas de forma a maximizarem os potenciais apoios de que podem vir a usufruir para alavancar os seus projetos de investimento.

foto
Empack - Logistics & Automation 19 - 20 abril 2023

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial