Atlas Copco Rental: ar comprimido
Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

O projeto NIAS NOVO centra-se na análise de substâncias não voláteis adicionadas não intencionalmente (NIAS) em embalagens de alimentos e cosméticos

Aimplas aborda novas metodologias para controlar a segurança e qualidade do plástico reciclado

17/05/2024

O Instituto Tecnológico do Plástico, Aimplas, está a desenvolver dois projetos centrados no desenvolvimento de novas metodologias de deteção e quantificação para controlar a segurança das embalagens destinadas a conter produtos alimentares e cosméticos, por um lado, e para melhorar, por outro, a qualidade do material plástico resultante dos processos de reciclagem pós-consumo de poliolefinas, incluindo dois dos plásticos mais comuns, o polipropileno e o polietileno.

Especificamente, o projeto NIAS NOVO aborda uma metodologia inovadora baseada na deteção, identificação e semi-quantificação de substâncias não voláteis adicionadas não intencionalmente (NIAS), que são as mais complexas e dispendiosas de analisar. Esta investigação inclui também a avaliação de riscos utilizando abordagens teóricas e bioensaios in vitro. O projeto visa apoiar as empresas na realização de uma avaliação de risco das NIAS não voláteis presentes nos materiais plásticos que fabricam e que se destinam a uso alimentar e cosmético. As empresas Pérez Cerdá e ITC Packaging estão a participar nesta investigação.

Imagen

Os NIAS são compostos químicos de natureza muito variada que podem aparecer em toda a cadeia de produção de embalagens. A avaliação dos riscos destas substâncias que podem migrar das embalagens para os alimentos e cosméticos que contêm é uma exigência regulamentar para estes sectores e deve ser controlada para garantir a saúde dos consumidores.

María Lorenzo, investigadora principal do Laboratório de Cromatografia do Aimplas, explica que o projeto está “a abranger diferentes matérias-primas, como o plástico virgem ou reciclado, materiais de base biológica e embalagens reutilizáveis, para podermos ajudar as empresas da cadeia de fornecimento de artigos de plástico para embalagens destinadas principalmente a estes dois setores com estas análises. O objetivo é permitir-lhes assegurar o cumprimento da legislação sobre plásticos não só para os seus próprios produtos, mas também para toda a cadeia de valor, e assim antecipar futuras alterações regulamentares".

Relativamente às metodologias aplicadas, a investigadora acrescenta que “a utilização de ensaios in vitro baseados em culturas celulares é uma ferramenta muito útil na identificação de perigos para detetar propriedades toxicológicas como a citotoxicidade ou a genotoxicidade. Os bioensaios in vitro desempenham um papel cada vez mais importante na identificação dos riscos toxicológicos, uma vez que reduzem o tempo e o custo da análise, bem como o recurso a testes em animais em comparação com os ensaios in vivo”.

No que respeita às embalagens feitas de materiais reciclados e de base biológica, há uma maior falta de conhecimento das NIAS presentes no material. Os contaminantes podem estar presentes nos materiais reciclados devido a uma utilização anterior ou ao armazenamento em centros de recolha. Outras substâncias podem também ser geradas em processos de descontaminação em que são utilizadas condições rigorosas e podem mesmo envolver a adição de outras substâncias. Relativamente aos materiais de base biológica, existem muito poucos estudos em que as NIAS são analisadas, pelo que existe uma maior falta de conhecimento das substâncias que podem ser encontradas.

Metodologia para quantificar o polipropileno no polietileno reciclado

Por seu lado, o projeto PPINPE centra-se na melhoria do processo de análise do material plástico reciclado para melhorar a qualidade dos compostos reciclados, uma vez que “durante os processos de reciclagem pós-consumo, a separação total das poliolefinas nem sempre é totalmente eficaz”, disse Miguel Ángel Mafé, investigador em Caracterização e Ensaios de Materiais no Aimplas.

“Melhorar os processos para quantificar com precisão o polipropileno e o polietileno numa mistura pós-consumo destinada à reciclagem é um desafio que temos de resolver no atual quadro da indústria de plásticos, em que existe uma tendência crescente na utilização de materiais reciclados para favorecer a economia circular, e que também procura uma melhoria substancial das matérias-primas recicladas”, acrescentou Miguel Mafé.

O objetivo geral deste projeto centra-se no desenvolvimento de uma metodologia que simplifique o processo de caraterização para a quantificação da quantidade de poliolefina não-alvo. Por outras palavras, quantificar o teor de polipropileno (PP) num material cuja matriz principal é o polietileno (PE), ou vice-versa. Esta metodologia permitirá detetar a contaminação, prever a qualidade do material, antecipar possíveis perdas ou variações nos requisitos de desempenho aquando da mistura com materiais não contaminados, tudo isto com o objetivo de promover uma reciclagem de maior qualidade.

As empresas Plastics Casaravi, Eslava Plastics e Durplastics estão a colaborar no desenvolvimento desta investigação.

Ambos os projetos fazem parte do programa de ajuda do Instituto Valenciano para a Competitividade Empresarial (Ivace) destinado aos centros tecnológicos da Comunidade Valenciana para projetos de I&D não económicos realizados em colaboração com empresas para o exercício de 2023, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) da União Europeia no âmbito do Programa Operacional 2021-2027.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter InterPlast

    17/07/2024

  • Newsletter InterPlast

    10/07/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial