Atlas Copco Rental: ar comprimido
Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Novo pacote legislativo da UE para o hidrogénio - uma janela de oportunidade?

Nuno José Ribeiro, advogado Pós-graduado em Direito da Energia*05/07/2024

As metas da União Europeia são ambiciosas. Mas será a Europa capaz de cumprir os objetivos de produção definidos?

Imagen

O Conselho Europeu anunciou a adopção de um novo pacote legislativo, que estabelece regras de mercado comum para gás renovável, gás natural e hidrogénio, com o objectivo de avançar a mudança da Europa para energias renováveis e com baixo teor de carbono e se afastar dos combustíveis fósseis, além de apoiar a descarbonização da União Europeia (UE).

O anúncio do Conselho da UE marca o último grande passo para a adopção final do novo Regulamento, após a aprovação da legislação em Abril pelo Parlamento da UE.

O novo Regulamento faz parte de uma série de propostas da Comissão Europeia, em Dezembro de 2021, para descarbonizar o mercado de gás da UE, como parte do acordo verde europeu, apoiando a meta da UE para alcançar a neutralidade climática até 2050, bem como o previsto no Roteiro 55 - a estratégia proposta pela UE para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em 55% até 2030, em comparação com os níveis de 1990.

As regras também visam apoiar a estratégia da Comissão para acabar com a dependência da UE dos combustíveis fósseis russos.

O novo Regulamento apoia o estabelecimento de regras comuns do mercado interno para gases renováveis e naturais e hidrogénio, e exige planos de desenvolvimento de rede nacionais com base na utilização conjunta de electricidade, gás e hidrogénio.

Segundo a Comissão, o Regulamento ajudará a permitir a aceitação de gases renováveis e de baixa emissão de carbono através da facilitação da ligação e acesso à rede energética existente e verá o estabelecimento de uma ligação e acesso à rede existente, permitindo consistência na avaliação da pegada de emissões de diferentes gases, a fim de permitir que os Estados-Membros comparem e as considerem no seu mix de energia.

O novo Regulamento também inclui disposições destinadas a eliminar os combustíveis fósseis, com contractos de longo prazo para combustíveis fósseis a não poderem durar além de 2049, e regras que apoiam a promoção da penetração de gases renováveis e de baixo carbono - particularmente hidrogénio - no carvão, incentivos vários, incluindo descontos tarifários para gás renovável e com baixa emissão de carbono e o estabelecimento de um mecanismo voluntário para apoiar o mercado de hidrogénio.

O Regulamento será aplicável seis meses após sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia, com os Estados-Membros a terem dois anos para adaptar a legislação nacional às novas disposições centrais.

A Comissão Europeia adoptou também um amplo conjunto de propostas destinadas a levar a UE à sua ambição direccionada de reduzir as emissões em 55% até 2030, em comparação com os níveis de 1990. As propostas abrangem políticas entre energia, uso da terra, transporte e tributação, bem como aquelas que visam garantir uma transição socialmente justa.

A meta de 2030 foi proposta inicialmente em Setembro de 2020 pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, elevando a ambição da UE da sua meta anterior de 40% até 2030, com o novo nível colocando a região no caminho certo para a neutralidade climática de 2050.

Imagen

A introdução das propostas segue a recente adopção pela Comissão da Lei Climática Europeia, estabelecendo-se na legislação a meta da UE de atingir a neutralidade climática até 2050. A lei climática é uma peça central do acordo verde europeu, a estratégia da UE para transformar a região uma economia moderna, com eficiência de recursos e competitiva. Além da meta de 2050, a lei estabeleceu a meta intermediária para a redução de 55% até 2030.

Algumas das propostas incluem o sistema de negociação de emissões da UE, colocando um preço no carbono e diminuindo o tecto das emissões para vários sectores económicos; exigindo gastos estatais de emissões, negociando receitas em projetos climáticos e relacionados à energia, fortalecendo metas de redução de emissões para edifícios, transporte marítimo, agricultura, resíduos e pequenas indústrias.

Outras medidas incluem a definição de metas nacionais para os Estados-Membros atingirem a meta da UE para eliminar 310 milhões de toneladas de emissões de CO2 até 2030.

Na frente de energia, as propostas estabelecem um alvo para produzir 40% da energia de fontes renováveis até 2030, com objectivos específicos propostos para o uso de energia renovável em transporte, aquecimento e arrefecimento.

O transporte é uma área de foco chave para as propostas, com medidas direccionadas à circulação em estrada, aviação e naval. As propostas exigiriam que as emissões médias de carros novos caíssem 55% a partir de 2030, permitissem apenas vendas de carros de emissão zero a partir de 2035, que se expandissem redes de carregamento de EV, obrigam os fornecedores de combustível a aumentar os níveis de combustíveis de aviação sustentável (SAF) para aeronaves e promover o uso de combustível marítimo sustentável e de tecnologias de emissões zero para navios.

Os planos da UE incluem 86 mil milhões de euros para renováveis, 27 mil milhões de euros para a infraestrutura de hidrogénio, 37 mil milhões de euros para aumentar a produção de biometano, 56 mil milhões de euros para eficiência energética e bombas de calor e 41 mil milhões de euros para adaptar a indústria para usar menos combustíveis fósseis.

O novo plano exige uma “ampliação e aceleração maciça de energia renovável na geração de energia, indústria, edifícios e transporte”, a fim de promover a independência energética, aumentar a transição verde e reduzir os preços ao longo do tempo. Sob o pacote “Fit for 55” da UE, lançado no ano passado, a Comissão estabeleceu uma meta para a UE produzir 40% da energia de fontes renováveis até 2030.

O plano descreve uma série de iniciativas para atingir a sua nova meta de energia renovável, incluindo o lançamento de uma nova estratégia solar da UE, destinada a dobrar a capacidade fotovoltaica solar até 2025 e a instalação de 600GW até 2030, uma obrigação legal que requer a instalação de painéis solares em novo público e edifícios comerciais e novos edifícios residenciais e iniciativas para acelerar a permissão para grandes projetos de renováveis.

A estratégia também inclui os objectivos anunciados recentemente pela UE para escalar a produção e o uso de hidrogénio renovável, incluindo alvos para atingir 10 milhões de toneladas de produção doméstica de hidrogénio renovável e importar mais 10 milhões de toneladas até 2030. A Comissão declarou que também publicará dois novos actos delegados sobre a definição e produção de hidrogénio renovável, garantindo que a produção leve à descarbonização líquida.

Imagen

O plano também aumenta a meta de eficiência energética da UE para 13% até 2030, desde o ajuste anterior de 9%, através da promoção de mudanças comportamentais, campanhas de comunicação direccionadas a famílias e indústria e o uso de medidas fiscais para incentivar a economia de energia.

Contudo há várias vozes críticas que consideram que a UE está longe do caminho certo para cumprir os seus alvos de hidrogénio verde em 2030.

De acordo com a PwC, apenas 3GW de projetos iniciaram a construção ou atingiram o FID, enquanto altas taxas de juros e inflação estão a tornar 'projectos anteriormente lucrativos em não lucrativos'

A UE pretende ter dez milhões de toneladas de capacidade anual de produção de hidrogénio renovável na Europa até 2030, mas um novo relatório da empresa de serviços financeiros PwC alerta que se está bem longe de concretizar aqueles objectivos, dada a grande incerteza em torno da evolução do mercado.

A PwC estima que a meta de 2030 exigiria que 120 GW de electroziladores fossem instalados nos próximos seis anos.

Enquanto 205GW de projectos a nível do território da União Europeia foram anunciados - mais do que suficientes para atingir a meta - apenas 3GW chegaram a uma decisão final de investimento ou foram iniciados até o final de 2023, e estes demorarão entre três e cinco anos para estarem operacionais. "Para cumprir essa meta [2030], cerca de 20 GW de capacidade precisaria ser adicionada a cada ano nos próximos seis anos”, alerta a PwC no seu relatório.

Considerando que a UE tem como alvo dez milhões de toneladas de importações de hidrogénio verde, a consultora também observa que essa ambição pode ser difícil de alcançar.

Apesar de 840 GW de projectos de hidrogénio limpo terem sido anunciados em todo o mundo, até o final do ano passado, apenas 15GW - 1,8% dos anúncios - chegaram a FID ou iniciaram a construção.

Uma das principais razões para a lenta construção é a discrepância entre os custos de produção do hidrogénio renovável e aquilo que o mercado está disposto a pagar.

A PwC calcula que o Green H2 custa € 200-250 (US $ 213-266) por MWh - ou € 6-7,50 (US $ 6,38 a 7,98) por quilo - na UE, em comparação com um custo de gás natural de € 25-40/mwh (com um custo extra de € 15-20/MWh sob o sistema de negociação de emissões da Europa). Enquanto isso, o hidrogénio “baixo carbono”, ou seja, o H2 azul, onde as emissões da produção de gás natural são reduzidas com captura e armazenamento de carbono (CCS), custa € 100-150/mWh (US $ 3,19- 4,79/kg).

Enquanto isso, será difícil reduzir o preço com base nas economias de escala de projectos de hidrogénio verde em larga escala. A construção está a ficar mais cara por causa das altas taxas de juros e da inflação sobre o preço dos materiais de construção, “tornando os projectos anteriormente lucrativos agora não lucrativos”. A PwC estima que os eletrolisadores actualmente custam entre 2 e 3 € por megawatt (ou € 2-3 mil milhões por GW) em média.

Outro obstáculo para o desenvolvimento de hidrogénio renovável, particularmente na Europa, é o ritmo de implantar novos equipamentos eólicos e solares.

“Seria necessária uma electricidade de cerca de 500 TWH para produzir 10 milhões de toneladas de hidrogénio renovável; portanto, com base numa turbina eólica que produz 20 GWh de electricidade por ano, 25.000 novas turbinas seriam necessárias para cobrir os requisitos de electricidade apenas para os eletrolisadores”, adverte a PwC.

A consultora também observa que o consumo líquido de electricidade da Alemanha em 2022 foi de 491TWH - e, em toda a Europa, espera-se que a procura aumente à medida que mais indústrias e transportes são electrificados. Por exemplo, os carros e camiões eléctricos na Europa acrescentariam 130TWh de procura por energia renovável até 2030 e 350TWh até 2040.

Recorde-se que a estratégia da União Europeia para acelerar a transição energética e, por consequência, diminuir a sua dependência da Rússia foi muito influenciada pela guerra na Ucrânia, cuja conclusão não se antecipa para tão cedo.

Nuno José Ribeiro escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter InterPlast

    17/07/2024

  • Newsletter InterPlast

    10/07/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial